| Newsletter
HOME
APRESENTAÇÃO
INFORMAÇÕES
HISTÓRIA
ACERVO
EM EXIBIÇÃO
PASSADAS
EDUCATIVO
CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO
BIBLIOTECA
BOLETIM INFO.
REVISTA
OUTRAS EDIÇÕES
NOTÍCIAS
AGENDA
IMPRENSA
CURIOSIDADES
III Conferências
IV Conferências
V Conferências
VI Conferências
 
Loja Online
Cedência de Espaço
Contactos
FAQ'S
Visita Virtual
Mapa do Site
III Conferências da Primavera
Consagradas ao tema “Património Industrial e Cultura da Água”
Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave
17 de Junho de 2011, 10h30


Para quem está habituado a visitar museus para conhecer o passado, seguindo a tradicional visita-guiada, uma ida ao Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave, em Vila Nova de Famalicão, pode surpreender e até impressionar. É que a partir deste mês, o Museu oferece aos seus visitantes uma autêntica viagem no tempo, numa jornada que começa com o aparecimento das primeiras máquinas têxteis em Portugal em meados do século XIX, se prolonga até à realidade dos dias de hoje e àquilo que se prevê para o futuro da indústria têxtil.

A novidade surge na sequência do projecto “Museu Têxtil do Futuro” que foi apresentado pelo vice-presidente da Câmara Municipal de Famalicão e vereador da Cultura e Turismo Paulo Cunha, na abertura das Conferências da Primavera, que decorreu na passada sexta-feira. O projecto que foi desenvolvido pelo município famalicense em parceria com o Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (Citeve) e o Centro de Computação Gráfica foi aprovado no âmbito de uma candidatura apresentada ao Programa Operacional Regional do Norte “O Novo Norte”, no eixo Património Cultural. Com um investimento total de 252 mil euros, o projecto recebeu uma comparticipação de cerca de 55 por cento, (138.547 mil euros).

Para Paulo Cunha “com este projecto pretende-se proporcionar aos visitantes uma mais correcta apreensão da história da indústria têxtil portuguesa, um melhor conhecimento da actual realidade industrial do sector e uma melhor noção do potencial que a indústria têxtil tem, nomeadamente na área dos têxteis técnicos e funcionais, através da apresentação de exemplos de aplicações têxteis em diferentes áreas tais como o vestuário técnico, a saúde, os transportes, têxteis lar, entre outros”.

Com recurso a ecrãs que utilizam modelos virtuais 3D e diversas animações, os visitantes assistem à evolução da indústria têxtil através dos tempos. Numa primeira fase, conhecem um conjunto de equipamentos das diferentes fases dos processos produtivos da têxtil e vestuário que foram utilizados nas empresas da região. De acordo com Paulo Cunha “o objectivo desta acção é tornar a demonstração do funcionamento das máquinas muito mais atractiva e interessante – não se pretende que os visitantes vejam apenas uma máquina “antiga” em funcionamento, pretende-se que estas demonstrações sejam algo de inovador, que mostrem não só o modo de funcionamento mas também que transporte os visitantes para o ambiente fabril e lhes mostre a evolução tecnológica ocorrida ao longo dos tempos”. Numa segunda fase, apresentam-se as empresas que são consideradas actualmente “casos de sucesso” na indústria têxtil e de vestuário. Com esta acção, pretende-se mostrar aos visitantes a dimensão e importância do sector e, ao mesmo tempo, cativar os jovens para esta actividade. Por fim, apresenta-se os têxteis em desenvolvimento para o futuro que terão diversas funcionalidades como anti-fogo, isolamento, respirabilidade, entre outras.

De acordo com o vice-presidente da autarquia famalicense, com este projecto o Museu da Indústria Têxtil assume “a vanguarda de uma nova forma de olhar os museus”. “Uma visão viva e dinâmica e não apenas como peças presas ao passado”, explicou. O autarca referiu ainda que “hoje os museus devem ser mais do que locais de revivalismo e nostalgia, mas devem servir também o futuro”. “É um novo enquadramento que queremos desenvolver”, assinalou. A sessão contou ainda com a presença de representantes dos parceiros Citeve e Centro de Computação Gráfica.

Refira-se que o Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave foi fundado em 1987 como um projecto de investigação em arqueologia industrial, com o objectivo de estudar o processo de industrialização desta região e contribuir para a preservação do seu património industrial.


Programa

10H30 Sessão de Abertura pelo senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Arq. Armindo Costa.

10h45 Apresentação do Projecto “Museu Têxtil do Futuro” Vereador do Pelouro da Cultura e Turismo da Câmara Municipal de V. N. Famalicão, Paulo Cunha, representante do CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário e representante do CCG – Centro de Computação Gráfica.

O Projecto “Museu Têxtil do Futuro”: demonstração das aplicações “Passado, Presente e Futuro” e dos áudio-guias.

12H30 Pausa para almoço

14H30 Sessão “Património Industrial e Cultura da Água” “Os aproveitamentos hidráulicos e hidroeléctricos do rio Ave - Um contributo do ponto de vista histórico-geográfico”, Francisco da Silva Costa (Universidade do Minho).

15H15 Projecção do filme, inédito em Portugal, “A construção da central hidroeléctrica de Salime (1954), Astúrias, Espanha.

16H00 Pausa para café

16H15 “A energia hidráulica no processo de industrialização: o caso da Bacia do Ave”, José Manuel Lopes Cordeiro, director do Museu da Indústria Têxtil e professor da Universidade do Minho.

16H45 Debate

17H00 Encerramento das 3ªs Conferências da Primavera


Galeria de Fotos    
 
 


 
topo
 
Copyright © 2006 Município de Vila Nova de Famalicão. Todos os direitos reservados. | handmade by brainhouse | Centro de Apoio ao Consumidor